Livros Recomendados: Empreendedorismo

   
Seguindo a ideia de organizar uma lista de Livros Recomendados de Administração e Negócios por temas, agora vamos fazer uma sobre Empreendedorismo:
(Para resenhas detalhadas, clique na capa ou título do livro)


1) O Livro Negro do Empreendedor (2007) - Fernando Trías de Bes
Talvez o livro mais lúcido sobre o tema. Tentando convencer o leitor a NÃO empreender, o autor estabelece 14 motivos para fazê-lo desistir, ilustrando os principais Fatores-Chaves de Fracasso no devaneio do negócio próprio. Muito realista e direto, ele desmistifica o lado sonhador e glorioso do empreendimento, ensinando o principal a ser feito e, acima de tudo, o que não deve ser feito. Leitura super fácil e obrigatória. Nem tente empreender sem ler esse livro!


2) Vai Fundo! (2010) - Gary Vaynerchuk 
'GaryVee' (como gosta de ser chamado) virou um 'Guru das Mídias Sociais' ao ficar rico vendendo vinhos online. Calma! Não foi tão rápido assim... Antes de simplesmente abrir um eCommerce de bebidas, ele é um expert em vinhos, mas não daqueles sommeliers chatos com sua linguagem figurada que ninguém entende. Pelo contrário, o seu sucesso se deve ao fato de falar diretamente de vinhos como um cidadão comum. Sua página no youtube sempre teve pouca produção no início, falando de jeito despojado e na linguagem da pessoa 'comum'. Ganhou relevância pela forma com que é sincero. Dá seus pareceres de graça. Criou seguidores e fãs que depois percebiam que além de falar de vinhos ele também vendia. Sua loja online bombou. Em 'Vai Fundo!', ele conta sua história e dá inúmeras dicas de o que e como fazer e de o que não.


3) Gratidão (2011) - Gary Vaynerchuk 
Sequência imediata, "GaryVee" expande o conceito de 'Vai Fundo!' para o que ele chama de  Economia da Gratidão (título do original em inglês) que consiste no seguinte: se você quer ter sucesso na nova economia e criar envolvimento, fidelidade e comprometimento de seus clientes, você precisa dar algo de graça a eles, antes mesmo de tentar vender-lhes algo. Vejo o caso do Google. Todos seus "serviços" ou benefícios são gratuitos ao consumidor. Na verdade, o Google ganha dinheiro é dos anunciantes online, não dos usuários. 
- O que você fornece de graça ao seu público? E não estamos falando de brindes. Se você der algo realmente de valor aos seu público, por Gratidão eles podem até comprar algo de você depois. Ou seja, "abrace uma Causa e preste serviços gratuitos antes, venda só depois". 
Não por acaso, foi escolhido Livro de Marketing e Vendas do Ano, em 2011 pelo 800-CEO-read.



4) Inovação em Modelos de Negócios (2011) - Alexander Osterwalder, Yves Pigneur e mais 468 co-autores.
Um livro-ferramenta.Você vai lê-lo, consultá-lo, usá-lo, reconsultá-lo e reusá-lo diversas vezes. Quando o seu empreendimento não tem bem claro COMO vai gerar dinheiro, esse é o livro a se consultar. Ele te explica o famoso quadro ("canvas") com seus 9 componentes básicos de todo e qualquer negócio, e te mostra os 5 possíveis modelos de negócio a seguir. Ensina também como implementar o projeto. Apresentação gráfica impecável, muito bom mesmo. Se você está empreendendo pela primeira vez ou se sua ideia ainda não demonstrou como vai fazer dinheiro, não pode deixar esse livro de lado.


5) O que a Google faria (2009) - Jeff Jarvis
Um definidor de conceitos modernos. "Dê controle às pessoas e elas o usarão. Não dê e as perderá", a famosa '1a Lei de Jarvis' para os negócios modernos. Usando a ideia que o Google representaria uma empresa moderna (poderia ser outra empresa, apenas um exemplo didático), ele simula como o Google gerenciaria negócios e indústrias existentes, tradicionais. Com isso saca conceitos muito interessantes de como na verdade as empresas tradicionais deveriam tratar seus negócios, entre eles:
"Seus clientes são sua agencia de propaganda", "Existe uma relação inversa entre controle e confiança", "Seu pior cliente é o seu melhor amigo", "A vida é pública, os negócios também, seja 100% transparente". Vale muito a leitura.

6) Jogar para Vencer (2013) - Roger Martin & A.G. Lafley
O prof. Martin foi consultor de Lafley quando este era CEO da P&G. Fruto dessa experiência, nasceu o livro apontado entre os melhores nos negócios em 2013 por 800-CEO-read, Amazon, S&B e Thinkers50. Se for empreender, precisa 'jogar para vencer' e para isso os autores propõem 5 escolhas em cascata, 5 perguntas:
- Qual nossa Aspiração Vencedora (Meta)?
- Onde jogaremos (Escopo/Segmentação)?
- Como venceremos (Proposta de Valor)?
- Quais Competências devem ser alocadas/adquiridas?
- Quais Sistemas de Gestão serão necessários?  
Os autores não apresentam nenhuma teoria nova, pelo contrário, mas contribuem muito em organizar as essenciais em uma sequência mínima, extremamente útil. Impossível começar qualquer negócio/projeto sem responder esse mínimo questionário. 

7) Quebre as Regras e Reinvente (2012) - Seth Godin
O prof. Seth Godin é um fértil produtor de livros, alguns deles já clássicos como A Vaca Roxa, A Ilusão de Ícaro e Somos Todos Estranhos e seu blog tem todo dia uma sacada rápida e simples sobre Marketing e negócios (recomendo seguir). Em Poke the Box ('cutuque a caixa', título original em inglês), Godin ensina em pequenas gotas (drops) de sabedoria, conceitos essenciais para qualquer negócio novo. Ele tem sacadas genias como "Não espere por mapas, o mundo recompensa quem os cria, não quem os segue", "O custo de errar hoje é menor que não tentar", "Na dúvida procure o seu medo. Quase sempre é de lá que vém suas dúvidas". Seth Godin sempre nos faz refletir muito.

8) De Empreendedor e Louco (2015) - Linda Rottenberg
Fundadora da Endeavor, Linda Rottenberg resolveu por toda sua experiência em ajudar empreendedores a vencerem em seus mercados locais, nesse livro. Nele ela ensina como assumir Riscos Inteligentes, identificar e aconselhar-se com tipos certos de empreendedores, criar liderança empreendedora, manter inovação contínua, criar cultura empreendedora e balancear a vida pessoal. Muito boas dicas.


Startups:

De propósito, separei os títulos que tratam de Startups, pois apesar de fazerem parte do Empreendedorismo, tem uma peculiaridade: tratam de negócios inéditos, inusitados, de modelos novos de negócios. Toda Startup é um Empreendimento, mas não vice-versa. Por isso estão separadas:
(Para resenhas detalhadas, clique na capa ou título do livro)


1) A Arte do Começo (2004) - Guy Kawazaki
Tendo trabalhado na Apple como 'evangelizador chefe', Kawazaki hoje é um daqueles 'anjos' investidores em startups, portanto a arte de começar um negócio ele domina bem. Nesse livro ele resume as principais dicas e recomendações para quem vai começar algum projeto importante, seja empreendimento próprio ou não: contratar, apresentar seu projeto, buscar patrocínio e parceiros, "fazer chover" !, em uma linguagem super simples e direta. É um livro muito recomendado por diversas fontes. Vale a leitura e consulta.

2) Rework - Reinvente sua Empresa (2010) - Jason Fried & David Hansson 
Fried & Hansson são sócios-fundadores do Basecamp (software de gerenciamento de projetos). De sua experiência, nasceu Rework e depois Remote, ambos cheios de dicas e atalhos para uma startup, principalmente no campo do online e software e com muita colaboração remota (sem escritório propriamente dito). Muito realista e direto. Ajuda muito a pular etapas e desmistificar conceitos inúteis.
Rework é também um livro premiado: foi escolhido Livro do Ano pelo 800-CEO-read em 2010.
3) Startup Enxuta (2011) - Eric Ries
Muita gente confunde conceitos: acha que qualquer empreendimento pequeno ou inovador em um determinado mercado é necessariamente uma Startup, o que não é verdade. Um empreendimento por menor que seja deve ser tratado como um empreendimento, com um modelo de negócio testado, métricas e objetivos definidos. Uma Startup é diferente: falta apenas um detalhe para uma Startup ser um empreendimento como qualquer outro, independente do tamanho: seu modelo de negócio ainda não foi validado. E é exatamente esse o principal objetivo de uma Startup: encontrar um modelo de negócio viável. Depois disso, deixa de ser uma Startup para ser um empreendimento "comum". Eric Ries ensina nesse livro, como de forma enxuta idealizar, testar e encontrar um modelo de negócio sustentável, ou seja fazer de uma Startup um sucesso.
Por isso, em 2011 foi premiado como o Livro de Empreendedorismo do Ano pelo 800-CEO-read.

4) De Zero a Um (2014) - Peter Thiel
Thiel é cofundador do PayPal e investidor em diversas outras Startups. Ou seja, fala "de carteirinha". Em se tratando de startups, negócios não comprovados anteriormente, segundo ele 'o monopólio traz o progresso, não a competição.' Se o segmento é novo, um player dominante tende a trazer mais inovação e progresso que uma quantidade maior de concorrentes. Obviamente que depois de testado e aprovado o tipo de negócio, o novo segmento, deixa de ser startup e as regras de competição clássica e sua gestão se aplicam. Ele defende que uma startup deve se concentrar apenas em sair do zero, o tal 'de zero a um', e não 'de zero a dez'. 'Dez' já é negócio tradicional, maduro, outras regras portanto. Peter Thiel é ousado nessa e em outras afirmações de seu livro. Obviamente ele fala de experiência própria e não é um catedrático nem teórico per si, mas seus conceitos e vivências são muito úteis nesse ramo. Intrigante leitura.
De Zero a Um está entre os Melhores Livros de Negócios de 2014, segundo o Amazon e a Forbes.


Gostaria de relembrar que essa lista absolutamente não é definitiva nem esgota os temas.
E que esses títulos são apenas os melhores dentre os que eu tive oportunidade de ler. Sei da existência e relevância de outros tantos títulos até melhores, mas dos que andei lendo, posso recomendar esses.

Irei atualizar a lista sempre que me deparar com algum livro que mereça figurar nela.
A lista atualizada estará sempre em [ Recomendados ].

- E você? 
Concorda com a lista?
Tem algum bom título para sugerir, compartilhar?

Críticas e sugestões sempre super bem-vindas e necessárias!

:)
< / >.
   

A Startup Enxuta - Eric Ries

   
Título: A Startup Enxuta
Autor: Eric Ries
Tradução de: The Lean Startup
Editora: Leya
Ano: 2011
Páginas: 288
ISBN/EAN: 9-788581-780047

Responda rápido: - Qual o objetivo de uma Startup?

Inovar nos negócios? Ser líder de mercado? Gerar lucro rápido? Ser vendida logo que o negócio 'virar'?

O termo Startup tem gerado muito ruído, virou moda, virou hype.
Qualquer pequeno negócio virou Startup. Qualquer empreendimento também. Ao menos na boca do povo.
Qualquer profissional que deixa o mercado, digamos "normal", e busca empreender alega "vou me dedicar a uma Startup...
- Será?

Talvez explicando o Objetivo fique mais fácil entender o que de fato é uma Startup.

Segundo o experimentado consultor e ele mesmo empreendedor de algumas Startups,  Eric Ries,

“O principal objetivo de uma Startup é encontrar um Modelo de Negócio sustentável, lucrativo.”


Se você vai empreender, e o Modelo de seu Negócio já é provado e comprovado, outros já tentaram e deram certo (ou mesmo não deram), você não tem uma Startup, tem sim um Empreendimento. Que não é pouca coisa em termos de desafio, esforço e stress. Mas ainda assim não é uma Startup.

Uma Startup busca desenvolver um tipo de negócio não tentado antes. Não tem passado, não tem histórico, só terá (talvez) futuro. Portanto seu presente deve ser gerenciado de forma totalmente diferente de qualquer outro negócio, grande ou pequeno, próprio ou não.

Antes de se pensar em participação de mercado, crescimento anual, tamanho, cobertura geográfica, marketing, etc., a primeira e principal preocupação de uma autêntica Startup é buscar validar se o modelo de negócio proposto pode gerar algum lucro e portanto sustentar-se. Qualquer outra atividade é perda de tempo.

É uma abordagem enxuta (lean) que vem do conceito de Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta) da indústria automobilística japonesa dos anos 1980, que preconiza que qualquer investimento que não na real criação de valor deve ser considerado desperdício, portanto deve ser cortado. 

Ries defende que são 4 os alicerces dessa busca pela Validação:

1. Teste seus Valores e Hipótese de Crescimento - qual a sua proposta de Valor? O que vai oferecer a seus clientes? E como acha que isso pode crescer? Teste isso com clientes reais antes de começar. Um exemplo típico de validação de hipótese vem da Zappos (varejo de calçados online). Sua tese era que os americanos estariam dispostos a comprar sapatos online. Para validar sua hipótese, eles simplesmente montaram uma loja virtual de sapatos falsa, de mentira, apenas para saber se haveria demanda e pessoas interessadas e de fato tentando comprar sapatos pela internet. Algo que na época parecia no mínimo insólito. Ao ver que sim, as pessoas se aventuravam tentando comprar, tiveram a confirmação que precisavam para investir em seu projeto. 

2. Comece com 'Produto Minimamente Viável' - um MVP (Minimal Viable Product em inglês) é um protótipo rápido. Não precisa ter qualidade final, recursos e benefícios finais, apenas os essenciais que definem seu produto ou serviço. O tal conceito do "comece em versão beta" para testar o mais rápido possível com consumidores reais e aprender com seus concelhos e avaliações. Ries nos lembra do caso do Dropbox. Antes de lançarem o produto produziram um vídeo explicando o que seria e publicaram-no. Com as avaliações e críticas online, refinaram o produto antes de lançá-lo.

3. Construa, Mensure & Aprenda - uma vez construído um MVP, lance o produto de forma limitada e controlada e imediatamente comece a medir sua performance junto aos seus clientes selecionados para o lançamento. Aprenda com eles os pontos a serem melhorados, adicionados e acima de tudo aqueles pontos que você pretendia incluir no produto, mas que no final seus clientes não dão valor algum (desperdício portanto). 

4. 'Pivote' - 'pivotar' seu modelo de negócios é alterar suas variáveis iniciais para que se ajustem a uma situação de resultado positivo. Ries cita o caso do GroupOn que começou como um projeto para angariar fundos online (croudfunding), mas depois de 'pivotar', virou o que é hoje, um site de compras coletivas milionário.

Uma vez validada a sua hipótese, seu negócio para ser sustentável, lucrativo, precisa ter uma Máquina de Crescimento, que tipicamente pode ser:

1. Retenção - retendo apenas seus clientes atuais. Obtendo mais lucratividade de cada cliente sem expandir sua base, sem investir em marketing.

2. Viral - fazendo de seus clientes seu veículo de marketing, o famoso boca-a-boca. Eles falam (bem) de seu produto a novos potenciais clientes. Lembra quando todo email do Hotmail vinha com uma assinatura automática: "PS: tenha seu email grátis no Hotmail"? Pois é, algo assim.

3. Pago - investindo em marketing, obviamente se seu fluxo de caixa já permite custear esse tipo de investimento. Se ainda não estiver a ponto de bancar esse tipo de comunicação, volte às duas máquinas anteriores. Quando elas já gerarem caixa suficiente, use a máquina paga.

Normalmente, negócios tradicionais usam uma combinação de duas ou três delas. Porém, você não está em um negócio tradicional. Além do mais, se usar mais de uma, certamente não terá ferramentas para medir de qual delas de fato vem o crescimento depois que cresceu. Portanto foco! Escolha uma. Se der errado, 'pivote', escolha uma segunda... uma terceira.

Mas cuidado!
Não se deixe seduzir pelos índices de performance tradicionais das grandes empresas tradicionais: participação de mercado, liderança, crescimento anual, etc.
Foco! Gerar e manter-se gerando lucro. Ainda que para isso, ao 'pivotar' o modelo, você se ver obrigado a limitar sua atuação geográfica, segmento de mercado, ou até sua proposta de valor.


Muito interessantes as dicas do livro, que virou até um conceito de gestão de StartupsNão por acaso, A Startup Enxuta de Eric Ries foi escolhido o Melhor Livro de Empreendedorismo pelo 800-CEO-read em seu prêmio anual de 2011.

Este livro está entre meus Recomendados sobre Start-ups. Confira a lista aqui.

< / >.