Como as Gigantes Caem - Jim Collins

Título: Como as Gigantes Caem
Autor: Jim Collins
Tradução de: How the Mighty Fall
Editora: Campus-Elsevier
Ano: 2010
Páginas: 216
ISBN/EAN: 9-788535-238822
Avaliação < / >. : «««««


'Como as Gigantes Caem' é o terceiro livro de uma sequência de sucesso do conhecido professor e pesquisador de Administração Jim Collins, apontado como 'herdeiro de Peter Drucker'. Os outros dois títulos, 'Feitas para Durar' e 'Empresas feitas para Vencer' são best-sellers e com esse terceiro livro não foi diferente. Mais recentemente, Jim Collins acabou de lançar 'Vencedoras por Opção', escolhido Livro do Ano 2011 pela crítica especializada.

Na verdade os quatro livros são uma "sequência", resultado de mais de 20 anos de pesquisas de Jim Collins e sua equipe na busca de respostas para saber porque determinadas empresas tem sucesso e outras não.

'Como as Gigantes Caem' de 2010 talvez seja o mais contundente deles, por justamente apresentar as razões pelas quais, empresas longevas, algumas até centenárias, encontraram seu fim após uma longa sequência de sucesso.


Resultado de extensas pesquisas, Jim Collins concluiu que a razão para a queda de grandes empresas na verdade está em sua própria criação. Tal como um câncer que passa anos despercebido, sendo apenas diagnosticado muitas vezes quando os sintomas já são muito evidentes, uma empresa que fadada a cair já tem desde sua criação os fatos dessa sua queda. O autor dividiu então em 5 estágios, o processo de declínio de uma empresa:
1. Autoconfiança Excessiva - Arrogância do sucesso inicial. A empresa passa a achar que o sucesso é um direito e não um conquista. Confunde causa com efeito. Acha que o sucesso inicial é a causa dos próximos sucessos e não efeito do esforço disciplinado inicial. Negligência ao processo de aprendizado e também do ensino interno. Minimização da sorte. Ninguém conta com a sorte nos planejamentos, mas quando o plano dá certo, ninguém reconhece que eventualmente foi a sorte a responsável pelo sucesso. Esse engano pode ser fatal depois.


2. Busca Indisciplinada por mais - como as coisas deram certo de inicio, independentemente se por sorte ou competência, a empresa então se empolga em querer cada vez mais. Mas não através de planejamento disciplinado, mas sim baseando-se pura e simplesmente no sucesso anterior. Começam então saltos indisciplinados: metas audaciosas, mudanças de rumos e ramos, crescimento indisciplinado da organização. Nem todas as posições-chave ocupadas por profissionais corretamente habilitados à função. Prioridades aos privilégios pessoais em detrimento das necessidades da empresa em médio e longo prazos.


3. Negação do Risco e Perigo - foco nos dados positivos, negação dos indicadores negativos. Apostas fortes em dados não validados, apenas estimados ou ambíguos. Desgastes internos da equipe com externalização de culpas e responsabilidades. Desapego arrogante.


4. Busca por Salvação - de repente alguém se dá conta que algo não está dando certo. Inicialmente admite-se alguns erros do passado. Busca-se as causas com soluções fáceis, ainda sob influência da cultura do sucesso eterno. Ou pior, busca-se soluções muito complexas, mas vistas como "balas de prata". As balas de prata então começam a falhar também e qualquer solução imediata passa a ser a grande salvação. Pânico e afobação. Muitas vezes existe também um personificação da solução: a contratação do executivo X, o CEO tal, como os "Sassá Mutemas", salvadores da pátria. Se de repente ocorre uma pequena recuperação de curto prazo, grande é a comemoração para alívio geral, e qualquer tentativa disciplinada inicial, passa a ficar mais indisciplinada e o "sintomas" voltam. Reestruturação crônica. A cada novo plano de recuperação, mudanças estruturais, demissões contundentes e contratações salvadoras.


5. Rendição - até a fase anterior ainda é possível salvar a empresa do desastre. Mas quando a empresa finalmente fecha ou muda radicalmente de atuação, ficando relevada a um segundo ou terceiro plano em seu mercado, ai já não há muito mais a se fazer para salvá-la.


Note que a duração de cada um desses estágios pode variar entra cada empresa, podendo tomar até décadas. Mas em 100% das empresas estudadas por Collins e sua equipe que tiveram queda após longo período de sucesso, essas 5 etapas foram detectadas.


Collins ilustra ricamente casos reais de empresas que não se salvaram e qual das etapas ficou mais evidente em sua história. O autor descreve também casos de empresas que conseguiram salvarem-se, reagindo antes que passassem da etapa 4 para 5.


É um leitura muito interessante e útil para quem quer saber um pouco mais sobre a história de empresas que fracassaram depois de anos de sucesso e principalmente ao aprender sobre esses insucessos, como evitar trilhar o mesmo caminho.


Em épocas que se endeusam executivos geeks, seus produtos ou serviços inovadores e suas empresas tecnológicas de crescimento rápido, antes de tomá-los como exemplo cego para sua empresa ou empreitada, convém também entender como se dá o processo de sucesso e os cuidados para isso não virar fracasso lá na frente, porque se começou errado. Não deixe que o sucesso inicial lhe ofusque a visão. Não seja arrogante quanto à sua capacidade. Reconheça que por vezes a sorte lhe ajuda e já muitas vezes lhe ajudou. Agradeça também a eventual incompetência de seus concorrentes pois nem sempre eles serão tão benevolentes assim.


O autor que é também alpinista, sempre conta em palestras e entrevistas a passagem de quando era mais novo e por mais preparado que estivesse para a escalada, certa vez escapou da morte apenas por... sorte. O nó que o mantinha preso à segurança na escalada soltou-se e ele ficou suspenso apenas pelas mãos. Fatalmente, depois de cansar-se, soltaria a rocha e despencaria para a morte. Por absoluta sorte ao seu lado havia um grampo deixado por algum outro escalador. Alcançou o grampo e prendeu sua corda a ele, sem ao menos saber se o aguentaria. Por sorte o grampo estava firme e ele pode ser resgatado.


Portanto, não conte com a sorte, mas uma vez usufruindo dela, não a ignore ao contar e contabilizar o seu sucesso. E para não ter de contar com a sorte, a ferramenta é o preparo disciplinado. Para Collins, o segredo para o sucesso é sempre a Disciplina. Muito mais que ser visionário ou audaz. 


Mas isso é assunto do próximo livro do autor.


Leitura mais que recomendada.

O conteúdo desse livro foi também tema da palestra de Jim Collins no ExpoManagement de 2010, confira o resumo aqui.

Jim Collins está também entre os 50 Pensadores mais Influentes em Gestão, segundo o Thinkers 50.

:)
< / >.

2 comentários:

  1. Realmente um livro para ler e reler dezenas de vezes! Entretando no seu artigo você fala que 100% as empresas do estudo passaram pelas 5 fases, mas pelo que me lembro o autor dá alguns exemplos de empresas do estudo que caíram tão rápido que acabaram pulando algumas etapas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, JUSSIMIR. Detalhe bem observado.
      Grato por apontar!
      Abraço. Sucesso!
      ☺< / >.

      Excluir

Por respeito aos demais leitores, o autor do blog se reserva o direito de filtrar comentários julgados inapropriados e spams. Agradecemos seu comentário, que será publicado depois de verificado. Muito obrigado. :)